Como era a vida há 50 anos

O mundo mudou rapidamente nos últimos 50 anos. Veja nas imagens desta página alguns exemplos de aparelhos de uso rotineiro no ano de 1968.

Se você se interessa pelo assunto, clique aqui e conheça o grupo “Antiguidades de Casa”, criado por este Portal da Memória. Ao abrir a página no Facebook, clique em “participar do grupo”.

 

 

Antigo despertador que era muito estridente ao tocar. E era preciso se acostumar com o som do “tic-tac” mecânico..

 

 

O dia começava com o café de manhã, feito com o coador de pano..

 

 

A manhã já iniciava com o rádio ligado, já que a televisão só entrava no ar mais tarde, e raramente dava notícias. Para ouvir informação, a única alternativa era o uso das ondas curtas, para sintonizar emissoras maiores de São Paulo ou Rio de Janeiro, que tinham grande alcance. O FM já existia no exterior, com som de melhor qualidade. Mas esta frequência não era usada comercialmente no Brasil..

 

 

Para ouvir música, só através de radiolas ou toca discos de vinil. Gravadores só os de rolo, que eram raríssimos e caros..

 

 

Pouca gente tinha carro e os modelos eram poucos. Nas ruas o que mais se via eram fuscas, jipes, vemaguetes e kombys..

 

 

No rádio do carro, com AM precário, a sintonia era só a de poucas rádios locais. Em viagens, o mais comum era ouvir as grandes rádios de ondas curtas do Rio de Janeiro e São Paulo. Ouvir música gravada no carro não era possível. A fita cassete só se popularizaria no Brasil nos anos 1970..

 

 

No trabalho os principais instrumentos eram a máquina de escrever, a calculadora mecânica, papel carbono para cópias e arquivos em pastas, que eram guardadas em armários metálicos.

 

 

Os telefones não faziam interurbanos diretamente. Era necessário ligar para a central telefônica e agendar um horário para a ligação, que era muito cara. Pouca gente tinha telefone, que também era caro, e tinha até ser declarado no imposto de renda..

 

A televisão só teria cor a partir de 1972, e com aparelhos muito mais caros. Por isso era comum o uso deste plástico de três cores colado na tela, nos anos 1960. E ver televisão era trabalhoso: Primeiro precisava esquentar, e a todo momento havia um problema com o horizontal ou o vertical da sintonia. Era preciso se levantar e ir até o aparelho ajustar o botão.

No interior, quando tinha televisão era um só canal, que entrava no ar às 18 horas. Nas cidades maiores havia mais opção, mas a televisão só entrava no ar a partir da hora do almoço..

 

 

Com poucos telefones, o jeito era mandar cartas. Era preciso levar ao correio, comprar os selos e postar. A resposta poderia levar meses, dependendo da distância. E na maioria das cidades não havia carteiro. Tudo era resolvido na agencia dos correios.

.
.
.
                                 E nas opções abaixo você confere as músicas ouvidas no passado:
.
.
.

                                         Música Internacional do passado.
.
.
 
.
.
                                            Música Sertaneja do passado.
.
.
                                           Músicas de orquestras do passado..
.

 

Comments

comments

Shares